14 de maio de 2010

A visão de advogados e tribunais sobre o Termo de Consentimento da Anestesia - Artigo recomendado


Rev Bras Anestesiol, 2010;60(2):207-214
Termo de Consentimento Informado: a Visão dos Advogados e Tribunais
Adriano Marteleto Godinho, Livia Hallack Lanziotti, Bruno Salome de Morais

Justificativa e objetivos:
Nos últimos anos, houve no Brasil um aumento do número de ações judiciais em função de erros médicos, devido, sobretudo, a uma conscientização cada vez maior da população em busca de qualidade no atendimento que lhe é oferecido. De acordo com a Constituição da República de 1988 e o Código de Defesa do Consumidor, o médico não pode submeter o seu paciente a tratamento ou procedimento terapêutico sem antes obter seu consentimento. O objetivo deste artigo foi conferir aos profissionais da medicina uma visão jurídica acerca do universo do consentimento informado.

Conteúdo:
O texto aborda o histórico, conceitos e fundamentos do Termo de Consentimento, requisitos para validade, a saber: capacidade do paciente, voluntariedade, compreensão e prestação das informações relevantes, assim como circunstâncias que dispensam o consentimento.

Conclusões:
Por meio da assinatura do Termo de Consentimento Informado o paciente declara estar ciente da natureza da intervenção médica e dos correspondentes riscos, assumindo-os livremente. Espera-se com este artigo tornar a classe médica mais consciente dos aspectos legais que giram em torno do tema, para que, a partir daí, sejam evitados os equívocos que costumeiramente transferem a sagrada relação médico-paciente dos consultórios e hospitais para os fóruns e tribunais.

Unitermos:
ÉTICA MEDICA: termo de consentimento; consentimento informado


Nenhum comentário:

Pesquisar neste blog

Ocorreu um erro neste gadget